O título é pensado para instigar, mas dá a pista: não aguarde muitas surpresas de Todos Já Sabem. O novo filme do iraniano Asghar Farhadi, rodado na Espanha, falado em espanhol e estrelado por Penélope Cruz, Javier Bardem e Ricardo Darín, deixa a desejar justamente por apostar em um mistério que não se sustenta, quando seu ponto alto, o drama familiar, é subaproveitado. As boas atuações e a deliciosa ambientação da trama, em um pequeno vilarejo, ainda conseguem manter o interesse do espectador durante a projeção, mas o resultado final é decepcionante.

Laura (Cruz) chega à cidade natal com os filhos, Irene (Carla Campra) e Diego (Iván Chavero), para o casamento da irmã, Ana (Inma Cuesta). Seu marido, Alejandro (Darín), ficou na Argentina, onde vivem, por compromissos de trabalho. Ele acaba perdendo uma grande festa que marca a reunião da família e também o reencontro da protagonista com Paco (Javier Bardem), um namorado da juventude.

Em meio à afetuosa comemoração,  o sequestro de Irene pega a todos de surpresa e deixa Laura sem chão. A partir daí, o tom do longa muda profundamente, e a ideia é que a espiral de paranoia tome conta de todos, já que uma das possibilidades é alguém próximo estar envolvido no crime.

O roteiro consegue, até determinado ponto, instaurar um clima de paranoia, construindo suspeitas e manipulando a atenção do espectador. Mas o encaixar das peças não é suficiente para tornar o enredo a verdadeira engrenagem da história. Mais recompensador é acompanhar o ruir das relações, à medida que o tempo avança e o convívio harmonioso no casarão se torna sufocante, com as trocas de acusações e ressentimentos que voltam à tona.

É uma pena que o filme não se detenha nessa deterioração interna, que evidencia também atritos sociais há muito tempo velados. Não só porque a revelação insinuada no título não justifica o suspense, mas também porque a fragilidade dos laços que unem cada membro da família poderia ser sua mais força.